Indicações para reposição de colágeno em pacientes

Tempo de leitura: 3 minutos

Nos últimos anos, houve um aumento da procura de tratamentos preventivos contra o envelhecimento da pele, como o Ultraskin, por parte de pessoas mais jovens. A partir dos 25 anos, o corpo humano já começa a produzir menos colágeno, o que traz a flacidez da pele e causa rugas. O tratamento contra a flacidez, portanto, é o objetivo principal de quem busca um rejuvenescimento, ou a prevenção do envelhecimento da pele.

Muitos avanços tecnológicos e científicos foram feitos nesta área, como o ultrassom focado usado no Ultraskin e no Reface. Trazer estas informações para o paciente pode ser muito importante, mostrando alternativas aos procedimentos mais invasivos que visam atingir os mesmos objetivos.

Com isso em mente, vamos explorar algumas opções de tratamento contra a flacidez que você possa levar para os seus pacientes.

O Ultraskin e outros tratamentos de reposição de colágeno

A reposição de colágeno, geralmente, é feita através de suplementos. O silício orgânico, por exemplo, é uma substância que costuma ser indicada para a reposição, pois ele é parte fundamental do mecanismo que produz novo colágeno no corpo. Peptídeos de colágeno também são comumente recomendados, pois atuam tanto como matéria-prima quanto como sinalizadores para a produção de colágeno.

Embora o uso destes suplementos tenha eficácia cientificamente comprovada, os melhores resultados são obtidos quando usados em conjunto com outros procedimentos dermatológicos que estimulam a produção do colágeno de maneira natural. Tratamentos como o microagulhamento, radiofrequência, procedimentos a laser são os principais exemplos.

Uma tecnologia que também vem sendo muito utilizada para tratamentos dermatológicos é o ultrassom. Neste ramo, existe o Ultraskin, uma plataforma de ultrassom focado que atua no rejuvenescimento da pele. Usando diferentes frequências que variam de 4 a 7 mhz, o Ultraskin é capaz de penetrar a até 4,5 mm na pele, chegando até a camada SMAS e estimulando diretamente a produção de colágeno. O poder da energia HIFU (High Intensity Focused Ultrasound – Ultrassom Focado de Alta Intensidade) é o diferencial desta plataforma, o que confere sessões rápidas, seguras e de efeito imediato, além de ser um procedimento não cirúrgico e não invasivo.

Também no ramo do ultrassom, existe o Reface, que é focado em tratamentos faciais. Esta plataforma também usa a energia HIFU, com ultrassom microfocado alinhado a reduzir os sinais da idade e a flacidez da pele do rosto. O ultrassom microfocado faz com que a pele retraia imediatamente, induzindo um estágio de inflamação e fibroplasia na área onde o tratamento é aplicado. Este processo acelera a produção de colágeno, o que deixa a pele mais firme e com um aspecto muito mais jovem. Também é um procedimento não cirúrgico e não invasivo, com zero downtime.

Vale a pena investir em tecnologias de ultrassom para a reposição de colágeno?

Como discutido anteriormente neste artigo, o tratamento contra a flacidez mais eficaz é unir suplementos com procedimentos dermatológicos. A vantagem de ter tecnologias como Ultraskin e o Reface disponíveis para seus pacientes é que, diferente dos demais tratamentos citados, ambos são procedimentos não cirúrgicos que dispensam a necessidade de incisões e pontos, possibilitando um tratamento completo de reposição de colágeno minimamente invasivo.

Ter a opção de tratamentos de alta tecnologia, não invasivos e com resultados imediatos é um grande atrativo para pacientes, o que pode movimentar a sua clínica (além de melhorar os serviços já oferecidos).

 

Indicações para reposição de colágeno em pacientes

Compartilhe